person_outline



search

Segundo Ato

No escuro da noite, na penumbra do quarto, enfiado debaixo dos cobertores ele se esconde. Medroso, inútil, um sopro de vida, um resto de nada. Na rua apenas o som das vozes distantes, dos jovens, e a respiração dos velhos dormindo em suas casas, de janelas abertas, esperando nosso senhor virem busca-los para uma eternidade tão sonhada.
Coração acelerado, respiração agitada. No calor intenso debaixo dos cobertores ele sua, gotas rolam pelo rosto e molham o travesseiro velho, sujo e já sem espuma. Forrando o colchão um lençol amarelo, não pela cor natural, mas devido à falta de lavagem, ao desleixo a imundície.
Seu corpo é sujo, sua alma também. Seus dentes, os poucos que ainda sobram na boca são pretos e com pedaços de restos de comida. Os cabelos não conhecem mais tesouras, a barba, suja e esbranquiçada cobre o que ainda resta de seu rosto imundo. Suas roupas estão encardidas. A camisa de cores listradas, de vermelho e branco, de azul e cinza é ainda o que sobrara de um presente dado pela família, o último; de um natal longínquo e feliz.
Um rato passa por sobre ele, ele não está nem aí. Sente o cheiro de podre do animal e isso não lhe causa repulsa, talvez um pouco de ânsia, mas isso passa rápido. O ruído do bicho lhe causa arrepios na espinha. Ele se levanta, joga os cobertores no chão e com passos trôpegos caminha em direção ao nada. A janela batendo com o vento, o som do silêncio, a luz de um puteiro piscando freneticamente enquanto seu coração pula descompassado, sem compromisso.
Dia seguinte segundo ato. A porta aberta, o pão empedrado em cima da mesa, uma ponta de faca com as sobras de uma manteiga embolorada. Mordida azeda, gosto de coisa estragada na boca. Ele cospe o que acabara de mastigar enquanto a barriga ronca de três dias sem nada.
Nas ruas o abandono. Gente jogada pelos cantos, enroladas em cobertores cinzentos. Fogueiras acesas a luz do dia, bem perto do sol escaldante. No vai e vem frenético da cidade ele se esconde ou tenta. Na fila da marmita do governo ele se anima, vai poder finalmente matar aquilo que lhe mata dia após dia, a fome.
Num pedaço de isopor, arroz, uma carne de aspecto estranho, e uma coisa branca e amarela, parecendo um purê de batatas. Foda-se, é comida. Faminto ele come feito um animal, lambendo ferozmente o fundo daquilo, passando os dedos engordurados e os chupando loucamente.
A barba suja de molho, a barriga satisfeita, o coração feliz. Fabricio, de 25 anos. Na rua desde os 16, gay. Expulso de casa pelos pais. Humilhado pela sociedade. Por pouco não desistiu da vida, mas ainda bem que a vida, tão preciosa não desistiu dele. Ele sabe que vai sofrer e muito, mas não se importa. Na casa abandonada que virou a moradia ele entra. O lençol carcomido é jogado fora, ele ganhou outro de uma desconhecida na rua, tem também um travesseiro novinho, cheiroso; um banho até que cairia bem, Fabricio sairia pela vizinhança em busca de água.
Pin It
Atualizado em: Dom 3 Jan 2021

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222